Pitangas…

Talvez você tenha se perguntado porque neste post eu não adicionei o nome científico da pitanga e sim apenas reticências. O primeiro motivo que me levou a colocar as reticências, é para refletir a entonação dada por grande parte das pessoas quando você cita esta fruta. Quem já não provou aquela pitanga com um forte retrogosto de terebentina ou amargoso (eca!!!!)? Muitas pessoas nunca mais querem provar outra pitanga depois desta experiência, mas não sabem que a pitanga é uma fruta muito variável na forma (lisa ou costada), no tamanho (1cm a 5cm de diâmetro), na cor quando madura (verde, amarela, laranja, vermelha, roxa ou negra), no sabor do fruto (amargo, azedo, doce),  na quantidade de polpa (algumas tem caroço pequeno ou inexistente, outras tem mais de um, outras tem um caroço enorme) e também no tamanho da árvore, que pode não passar de um mero arbusto que mal chega a 1 metro de altura ou se tornar um gigante de uns 12 metros de altura!!! Por que tanta variação?!?! Na hora de comprar a muda, como saber se você está levando uma planta que produz frutos de qualidade ou aquela malfadada pitanga como gosto de terebentina????

pitangas

As diferentes cores e formas dos frutos

O segundo motivo é a variedade de tipos que existem. O nome científico pelo qual a pitanga é conhecida é Eugenia Uniflora. Sob este nome científico está abrigada a maioria das variedades de pitanga. Variedades: esse é o termo correto.

Diferentemente de outras frutas comercializadas, tais como laranja, pera, morango, melancia, etc, a pitanga não foi “domesticada”, ou seja, não passou por um processo de seleção quanto à forma, sabor, tamanho e cor que resulta na produção de cultivares (variedades) específicas, produzidas por clonagem ou enxertia da planta selecionada, embora você possa encontrar mudas que foram assim produzidas. Ademais, a pitanga não resiste ao transporte e isso desencoraja a sua comercialização. Assim, é natural que a pitanga não tenha um padrão como outras frutas comercializadas, e que tenha forma, sabor, cor e tamanho tão variável, produto de sua alta diversidade genética. Você já deve estar se perguntando: “Então como vou saber qual muda de pitanga presta?“. Não desista ainda, continue lendo.

pitangatree

À esquerda a pitanga de árvore, comum em todo Brasil e que pode chegar a 12m de altura. À direita, a pitanga do cerrado que mal chega a 1 metro de altura. Notem a forma diferente das folhas, embora os frutos sejam similares.

A pitangueira árborea é muito adaptável a variadas condições climáticas, tolera bem podas, e é encontrada desde a fronteira com as Guianas (onde é conhecida como Surinam Cherry) até a Argentina. Já a pitanga do cerrado (ou rasteira), cujo nome mais comum é Pitanga-Peba (científico Eugenia Pitanga), é exclusiva da região do cerrado brasileiro. Ambas frutificam após 2 ou 3 anos de vida, mas a diferença está no tamanho: a arbórea terá pelo menos um metro e vinte ao frutificar pela primeira vez, enquanto que a do cerrado pode ter menos do que um palmo de altura, conforme atesta meu post de 04/08/2015, cuja foto você pode ver aqui: Frutificando!

Ambas podem ser cultivadas em vasos, mas a do cerrado além de ocupar bem menos espaço (pode até ficar na sacada de um apartamento, desde que receba luz solar), tem frutos mais suculentos e de ótimo sabor. Vale ressaltar que algumas variedades da pitanga árborea não passam de 2 metros, enquanto que outras podem chegar a 12 metros de altura e, se você adquirir uma dessas mais cedo ou mais tarde terá que tirá-la do vaso. Ainda falando da pitanga de árvore, um conselho: só compre a muda se você puder provar os frutos por ela produzidos. Assim você evita de comprar uma variedade que tem o malfadado gosto de terebentina e, dependendo do tamanho da muda produzindo, poderá ter uma idéia de qual é a variedade e do tamanho final da árvore. Um outro conselho é optar pelas pitangas negras ou roxas, que normalmente tem sabor bem superior.

Em casa, tenho 04 mudas de variedades diferentes da pitanga do cerrado, sendo uma em vaso e as demais no solo. Tenho ainda 04 mudas da pitanga arbórea (três vermelhas e uma roxa) em vasos: duas em vasos de 55cm de altura por 40 cm de boca e uma em um vaso de 70cm de altura por 60 cm de boca. A roxa ainda não produziu frutos, mas as demais já e, como esperado, elas tem sabor diferente entre si. Mas nenhuma tem o malfadado gosto de terebentina. Todas tem bom sabor. 🙂

A pitangueira produz uma boa quantidade de frutos e tem também um belo efeito ornamental em função de suas brotações vinho-avermelhadas. Uma das variedades que tenho perde todas as folhas no outono e floresce no inverno. Muito bonita!

Então, ficou interessado? Então vá atrás de sua pitangueira! Na seção de links você encontra mudas da variedade arbórea com qualquer um dos fornecedores mas, que eu saiba, apenas o Colecionando Frutas, o e-Jardim e o Mudas de Frutíferas possuem mudas da variedade do cerrado (Pitanga-Peba – Eugenia Pitanga). No Mercado Livre você também encontra vários anúncios de ambas as variedades em suas diferentes cores. Você também poderá comprar sua muda no CEAGESP durante a semana (veja dias e horários) e nas feiras de sábado e domingo.

Para quem tem disponibilidade e transporte próprio, poderá ainda retirar mudas GRÁTIS (até 10, variadas) nos viveiros da prefeitura. Veja o estoque disponível clicando aqui.

Boa sorte com a sua pitangueira!

Curiosidades: A Sapiranga, ou Pau-Alazão (nome científico Eugenia Multicostata) é um parente próximo da pitanga. Os frutos são similares, mas maiores.

sapiranga

Frutos da Sapiranga

A árvore é bem maior e não poderá ser mantida indefinidamente em vasos: chega aos 30 metros de altura com um tronco quase retilíneo e de brilhante tom marron-avermelhado, cujas folhas lembram as da pitanga árborea, mas também são maiores. Seu crescimento é bastante lento, e inicia a frutificação entre 5 e 7 anos de idade.

sapirat

A árvore adulta e suas folhas

Hoje rara, sendo mais comum no estado brasileiro do Rio Grande do Sul, esta árvore está à beira da extinção em função do abate para uso de sua madeira, de excelente qualidade. Na verdade, ela é conhecida mesmo como produtora de madeira-de-lei e não como frutífera, mas dá excelentes frutos. Caso você tenha interesse nesta frutífera muito pouco conhecida, vale um alerta: cuidado para não comprar gato por lebre! Há vários vendedores que se enganam e te enganam, apresentando outras árvores como sendo a Sapiranga. Dois vendedores que com certeza te venderão a planta certa, são o Marco Lacerda (e-Jardim) e o Ricardo Bitar (Jardim Exótico).

Se você tem espaço suficiente em solo, esta árvore é uma excelente aquisição não só por causa dos seus frutos, mas principalmente para embelezar e valorizar a sua propriedade.